terça-feira, 1 de abril de 2008

O Teatro Ribeiragrandense

Tenho boas memórias do Teatro Ribeiragrandense. Estava em obras quando fui, pela primeira vez, à segunda cidade de S. Miguel.
Depois, reabriu com este aspecto bem açoriano e com uma sala (a principal) lindíssima. Era um centro cultural que estranhei numa cidade pequena. Para além do cinema, assisti lá a teatro de grande qualidade (de grupos locais e nacionais), concertos, exposições e até tertúlias literárias.
Volta e meia, a carrinha da RTP Açores estava parada na porta lateral. Já se sabia que, ou se gravava algum programa ou se ia realizar um debate político ou um espectáculo que merecia transmissão ou notícia.
Pelo que me dizem, já não há cinema na Ribeira Grande e o Teatro está um pouco parado. E é pena!
É muito bom viver na Ribeira Grande. Sendo uma cidade, tem ainda um ambiente calmo e de qualidade. Para viver, sempre a preferi a Ponta Delgada.
É certo que o Teatro Micaelense também foi renovado, é certo que o Parque Atlântico tem várias salas de cinema. Tudo bem! Espero é que a Ribeira Grande mantenha vida cultural própria e dê uso a um edifício que merece o carinho dos seus habitantes e dos poderes locais.

9 comentários:

Ibel disse...

Áinda bem que tem boas memórias de coisas tão lindas.Ainda bem que tem o espírito altuísta para que as possamos compartilhar consigo.
E tem outras coisas maravilhosa no Luar De Janeiro que não tenho conseguido comentar. Não sei o que se passa.
Beijinho, Elisabete!

helder disse...

Tem razão em tudo o que diz, mas não vejo modos da situação melhorar.
De facto é confrangedor ver aquele teatro tão subaproveitado.
Não foram raras as vezes em que lá fui ao cinema e na sala não estavam mais de 3 ou 4 pessoas.
É mais fino ir ao Parque Altlântico...
Ainda no último sábado, o grupo de teatro da terra levou à cena uma peça interessante e naquela bela sala, apenas estavam 28 pessoas.
Muito pouco para uma cidade que tem pretensões a competir ( em termos culturais) com Ponta Delgada.

Elisabete disse...

Pois é!!! O apelo dos "Centros Comerciais"...
Que pena não estar aí, no sábado.
Ainda me lembro da primeira peça da Pontilha: "Silêncio, gentes das ilhas", se não me engano. Muitíssimo boa!
Para a Ibel, um beijinho.
Para o Hélder, já nos vemos!

emfrosa2 disse...

Como é possível deixar um Centro Cultural tão importante, assim ao abandono? É deveras lamentável que as pessoas passem mais tempo num local fechado, com luz artificial, em vez de desfrutarem da vista e brisa, da noite luminosa, das estrelas da Ribeira Grande. Que saudades dos passeios à beira mar, desse teatro, a que fui várias vezes, depois de um cafezinho com os amigos...
Enfim, as pessoas não sabem usufruir da relíquia que têm perto.

Enfim... como diz o ditado, "Deus dá nozes a quem não tem dentes".

Elisabete disse...

Pois!
Só o que nós ríamos e cantávamos quando íamos ao cinema e o filme nos animava. Lembras-te?
E, às vezes, os passeios pela Rua Direita, à luz das estrelas e da Lua.
Belos tempos!!!

Daniel de Sá disse...

Infelizmente esse é o presente que eu sempre imaginei como futuro na altura em que a Câmara se entusiasmou com as obras de remodelação. Eu fazia parte da Assembleia Municipal, claro que nunca me opus à ideia de consertar o teatro, mas sabia, por experiência própria, que o pessoal da Ribeira Grande mal enche uma sala de vinte pessoas quanto mais aquela, maravilhosa. É pena, mas é mais fácil reconstruir um teatro do que mudar mentalidades.

Elisabete disse...

Só não percebo é como durante o tempo em que aí estive, os espectáculos (exceptando o cinema)tinham casa cheia.

emfrosa2 disse...

As mentalidades das pessoas, mudam-se na escola. Talvez seja necessário criar um serviço Educativo, que leve os jovens a "sonhar" e acreditar, na imaginação e criatividade. As escolas deveriam ser sensibilizadas para a cultura, para a importância destes espaços de desenvolvimento de capacidades, escondidas por detrás de um palco... As pessoas deveriam aproveitar esses recursos maravilhosos.

A Ribeira Grande a meu entender tem todas as infra-estruturas para se desenvolver, tenho pena que se esteja a perder num futuro que para mim me parecia tão risonho. Muitos eram os projectos de qualificação de uma "marginal" para a Ribeira Grande. Tem a beleza do mar que cativa, uma paisagem linda. Quando olho para as fotografias, o meu pensamento vai longe.

Elisabete, que saudades, das caminhadas, das idas ao "palheiro, para ler, ver aquele mar maravilhoso, que fazia sonhar… o pensamento ia longe...

Ibel disse...

Boa estadia e traga-nos muito dessa beleza tão falada.Não sinto inveja, mas tristeza, porque estou cheia de muros e prédios e céu poluído,e...
BEIJINHO!!!!!!