sexta-feira, 25 de maio de 2007

AS ILHAS DE BRUMA

ILHAS DE BRUMA

Ainda sinto os pés no terreiro
Em que meus avós bailhavam o pezinho,
A bela aurora e a sapateia
É que nas veias corre-me basalto negro
E na lembrança vulcões e terramotos.
*****
[REFRÃO]
Por isso é que eu sou das ilhas de brumas
Onde as gaivotas vão beijar a terra
Por isso é que eu sou das ilhas de brumas
Onde as gaivotas vão beijar a terra.
*****
Se no falar, trago a dolência das ondas
O olhar é a doçura das lagoas
É que trago a ternura das hortênsias
No coração a ardência das caldeiras.
*****
[REFRÃO]
*****
Trago o roxo, a saudade, esta amargura
Só o vento ecoa mundos na lonjura
Mas trago o mar imenso no meu peito
E tanto verde a indicar-me a esperança.
*****
[REFRÃO]
*****
É que nas veias corre-me basalto negro
No coração a ardência das caldeiras
O mar imenso me enche a alma
Tenho verde, tanto verde, tanta esperança.
<><><><><><><><><><><><><><>
Letra e música: Manuel Medeiros Ferreira
Intérpretes: Paulo Andrade, Susana Coelho,
José Ferreira, Luís Gil Bettencourt
Álbum: “7 ANOS DE MÚSICA

1 comentário:

ternura disse...

Sapateia, meu bem, Sapateia, ai
Outra vez a Sapateia,
Ó quantas vezes, ó quantas,
O jantar serve de ceia! [Bis]

O ladrão da Sapateia,
Na hora que quer partir,
Quem tem à vista o seu bem,
Dele se vai despedir.

saudades do paraiso açoreano.